Há Muito que se Aprender com os Ditos Irracionais – Formiguinhas dão Lição de Vida e de Solidariedade

by

Matéria  1 – Formiguinhas servem de “tapa-buraco” para acelerar a caminhada das demais

Quando as formigas que saem para buscar comida, em grupos de até 200 mil, se deparam com buracos na estrada pela qual devem percorrer,  “preocupadas” em não disperdiçar os alimentos que transportam e para evitar o retardo da entrega do alimento aos filhotes que aguardam no ninho,  elas logo se organizam, de modo que algumas entrem nos buracos do caminho, a fim de evitar que as demais percam tempo caindo ou se desviando dos obstáculos.

E só quando a maioria do grupo passa é que essas formigas que serviram de  “tapa-buraco”, saem para seguir o grupo.

O estudo é de pesquisadores da Universidade de Bristol, objeto de matéria prevista para publicação neste mês, na revista científica “Animal Behaviour.”

                                                                                ****//****

Matéria 2: – Formiguinhas tomam medidas de saúde pública, protetendo-se coletivamente

Que as formigas são extremamente organizadas, todo mundo já sabe, mas que elas também buscam melhorar suas chances de sobrevivência é uma novidade que cientistas da Universidade de Lausanne, na Suíça, tornaram público no decorrer desta semana, em matéria publicada em revista britânica.

São as formigas-da-madeira, da espécie “formica paralugubris”, que usam desinfetantes para proteger suas casas contra doenças causadas por bactérias e cogumelos venenosos.

Elas  coletam resina de plantas de árvores como a Sequóia, Araucária, Pinho (coníferas) e as usam para proteger suas casas. A presença da resina apoia a sobrevivência das formigas adultas e das larvas que são expostas à bactéria da espécie “pseudomonas” e  a sobrevivência, daquelas, também  expostas aos fungos.

A descoberta demonstra a maravilhosa capacidade dos insetos sociais “tomarem medidas de saúde pública dentro de uma colônia, protegendo-se coletivamente”, segundo comunicado dos cientistas de Lausanne, Michel Chapuisat, Philippe Christe, Pasqualina Magliano  e Anne Oppliger, publicado pela Fundação Nacional de Ciência Suíça.

fontes:

Matéria 1: G1- Ciência e Saúde/Biodiversidade – mai/07
Matéria 2: G1 -Ciência e Saúde/Biodivesidade – 21/06/07

       Essas foram Boas!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: